sábado, 30 de setembro de 2017

CREEPYPASTA: O DEMÔNIO DE SAL


O vento arrastou as folhas no escuro enquanto ela se agachava junto ao fogo. Tínhamos cruzado caminhos na trilha e trocamos itens. Agora era hora de trocar histórias. "Quando eu era uma menina", ela começou, esfregando as palmas das mãos juntas, "O povo dizia que o sal veio de um demônio. Um demônio que come pecadores e deixa uma trilha de sal." Eu quase ri, mas me segurei dando uma mordida forte na carne. Seus olhos eram sombra com pinhas de luz. O fogo iluminou seu rosto, fazendo as linhas em sua testa profundas e pretas. Deslizou uma cruz de prata simples na cavidade abaixo de sua garganta.

"De onde eu venho, temos lugares amplos e completamente cobertos de sal. É aí que o demônio de sal vive. Eles dizem que antes da construção de nossa cidade, havia um acordo. Que essas pessoas eram pessoas que cruzavam o deserto em caravanas e pararam em nosso rio no deserto. Que eram piedosos e religiosos e adoravam a Deus, e o primeiro edifício que construíram era uma igreja.

"Um santo homem saiu do vento do deserto. Sua voz soava como chuva em uma terra seca. Dizem que ele cruzou o deserto seco pela glória do Deus Todo-Poderoso. E essas pessoas trouxeram esse estranho para ser o reverendo de sua igreja.

"Depois disso, chegou o verão e o rio secou. Culturas morreram; as pessoas ficaram com fome. Um homem ficou com tanta fome, que ele matou sua esposa e a comeu. O povo estava com medo; eles nunca viram um crime. Então, o reverendo do deserto o levou a julgamento. Ele julgou que como aquele. E o homem deveria conhecer seu próprio pecado entregue sobre si mesmo. Ele condenou o homem a ser comido pelo povo da cidade.

"Sabe, as pessoas da cidade pensaram que o que estavam fazendo eram justas, porque um homem de Deus lhes pediu para fazê-lo. A verdade é que Deus odeia quando suas criações humanas comem uns aos outros. Pior ainda do que matar, roubar ou estuprar. Pior do que qualquer coisa. E o pregador do deserto sabia disso, porque o pregador do deserto não era um pregador, ele era um Demônio de Sal.

"Ele preparou o condenado sobre uma fogueira e o serviu em pratos para todos lá. E uma vez que todas as pessoas haviam tomado uma mordida, tinham participado do pecado maligno, e o Demônio de Sal comeu todos eles. E ele cuspiu em montes de sal. Tanto sal, que cobriu todo o edifício com ele. Ele teve pecadores suficientes para guardar corpos para mais tarde, secou suas pilhas de sal. Ele guardou o suficiente para durar séculos.

"Este demônio de sal, ele teve um bebê de seu sangue e um pouco de sal. E quando ele morreu, ela se tornou o Demônio de Sal, porque seu pai tinha deixado muitas pilhas de carne pecaminosa seca para comer.

"Sim senhor. A carne pode ser guardada por um longo tempo quando você salga ela. "A luz do fogo brilhou em seus olhos e eu parei de mastigar. "Muito tempo mesmo".

CREEPYPASTA: RESPIRE FUNDO



O nome dele era Martin Thomas, e ele costumava ser inteligente.

Eu esrou do lado de fora da casa de Martin, mas por quê? Eu esqueci. Eu me afasto, escondendo minhas mãos nos bolsos do casaco.

Ah, sim. Suas chaves.

No interior, sua empregada me para. "O que você quer?", Ela pergunta.

"M-Martin Thomas", eu murmuro. Então eu tento, "I-Irmão?"

Meu colar desliza, e ela vê meu rosto inteiro. Ela se afasta rapidamente, apontando as escadas e murmurando: "Diga a Einstein" para fazer algo sobre esse cheiro ", antes de bater a porta.

Eu subo até o andar de cima e tenho certa dificuldade com a fechadura. Embora o cheiro seja horrível, tudo parece familiar. O corpo no chão também é familiar.

Martin.

Então, é verdade.

Sento-me na cama e penso. Não sou bom em pensar, mas sei que o universo é um lugar difícil, com regras difíceis. É estrito. Então, quando você inventa um tipo de ... teletransportador? O universo pensa que você está tentando enganá-lo, e o universo não gosta disso.

Claro, vá para qualquer lugar! Sydney, Rio de Janeiro, Hawaii - tudo em um dia. Mas ainda é contra as regras estar em dois lugares ao mesmo tempo, mesmo por uma fração de segundo. Cada vez que você é lido em algum lugar, o você anterior deve morrer.

"Você não sabia", eu digo a Martin.

Eu quase o perdoo por seu suicídio não planejado, mas toco meu rosto derretido e de repente me lembro ... erros de transcrição. Pequenos erros que se multiplicam com cada teletransporte. Fazendo você mais lento. Mais feio. Mais idiota.

Eu puxo o dispositivo de Martin do meu bolso. Mais uma viagem, e eu vou esquecê-lo. Esquecer tudo.

Eu quero isso? Foda-se, não consigo me lembrar!

Eu respiro fundo.

Recomeçar...

Meu nome é Martin Thomas, e eu costumava ser inteligente.

CREEPYPASTA: O FERRÃO AINDA DÓI



"Fique perto de mim, Yanny", eu disse, tentando o meu máximo para manter minha voz calma. Os ecos macios se recuperaram em torno da caverna maciça. Minha foice estava preparada para a batalha, brilhando com o sangue dos demônios derrubados. "Estamos quase no portão".

Yanny assentiu. A jornada tinha sido difícil para ela; mentalmente, ela não era uma garota muito forte. "Por favor", ela disse fracamente, quase sussurrando, "me proteja".

Na ponta, um enorme escorpião vermelho surgiu, e o ferrão bateu diretamente em onde Yanny estaria, se eu não a tivesse afastado do caminho. "Corre!" Gritei e fui em direção ao demônio.

Minha foice piscou enquanto girava no ar, sibilando aonde achava uma fenda na armadura do animal. Do canto do meu olho, vi Yanny fugindo cegamente de nós. Os portões estavam a poucas centenas de metros de distância, uma conclusão bem-vinda no final de uma odisseia de trinta dias.

Eu cortei uma pinça, ignorando o grito do monstro, e corri para Yanny.

"Estamos quase lá!" ela gritou, e eu não sabia se eram risos ou lágrimas. A maioria deles termina assim no final, divididos entre aceitar seu destino e lutar por seu futuro. Eu sempre admirava isso sobre os mortais - com uma vida tão curta, eles só podiam lutar por seus destino. Nós, nós vimos os destinos mais do que o tempo, finais onde os começos ainda não tiveram início. Não havia destino para nós.

Estávamos a vinte segundos do portão agora. Quinze. Dez.

Uma enorme pressão me chocou por trás e fui preso na parede da caverna. Fazendo uma careta, agarrei uma pedra, tentando resistir a força do escorpião.

"Me ajuda!" Chorei para Yanny, que se congelou com o choque. A minha foice, que tinha caído aos seus pés, capturou todo o medo nos olhos dela. "Corte a garra do escorpião!"

O escorpião estava agora posicionado para picada. O assassinato era evidente em seus olhos; com um ferrão desse tamanho, nem precisava de veneno. Talvez eu seja A Morte, mas feridas ainda eram feridas.

Yanny deu uma última olhada para mim, então disse a única coisa que sempre me assombrou, não importa quantas vezes eu ouvi.

"Sinto muito, obrigado".

Ela se virou e correu em direção aos portões brancos perolados, em direção ao anjo alado que aguentava urgentemente. A pressão ao redor da minha cintura foi liberada quando ela entrou, nunca se virando para olhar para aquele que a protegeu durante toda a jornada.

Peguei minha foice e suspirei, observando enquanto os portões se acorrentavam e lentamente sangraram para o vermelho. Eu reconheci os gritos de Yanny. Reconheci os gritos de todas as outras pessoas que me abandonaram ao escorpião, que já tinha colocado seus membros perdidos novamente e estava feliz me acompanhando de volta à entrada. Quando um final feliz está à vista, poucos se arriscam para salvar o outro.

Egoísmo.

Todos vocês, egoístas.

domingo, 24 de setembro de 2017

CREEPYPASTA: ÊNFASE



É engraçado, como a ênfase em uma frase pode mudar completamente o seu significado. Lembro-me do exemplo que li; eu nunca disse que ela roubou meu dinheiro. Você pode colocar a ênfase em qualquer uma das palavras na frase, e terá sete significados diferentes quando terminar.

Então, agora estou deitado na cama, ouvindo os passos no andar de baixo e pensando enfaticamente que eu NÃO esqueci de trancar a porta da frente

Lembro-me de ter dito isso a minha esposa no outro dia, quando a encontrou desbloqueada pela manhã, mas a ênfase era diferente. Era: EU não esqueci de trancar a porta da frente. Havia uma implicação de que era ela quem esqueceu, e ela, com certeza, se irritou com isso. Não falou comigo pelo resto do dia.

Os passos estão na cozinha, diretamente abaixo do nosso quarto, e posso ouvir um murmúrio de vozes. Há pelo menos dois deles. Mas eu não esqueci de trancar a porta. Como eles entraram? Bem, eu não esqueci de bloquear a PORTA da frente... mas talvez eu esqueci de trancar a janela. Eu não me esqueci de TRANCAR a porta da frente... mas talvez tenha esquecido de passar a outra tranca.

Houve um relatório na semana passada sobre dois fugitivos armados e violentos que escaparam da penitenciária em uma cidade próxima. As pessoas relataram ouvir barulhos em seus jardins à noite. É por isso que minha esposa ficou tão preocupada com a porta em primeiro lugar. Talvez sejam eles? Saio da cama tão silenciosamente quanto possível, tentando evitar acordar minha esposa. Ela é tem sono pesado, e acho melhor que ela durma durante isso. Eu escorreguei silenciosamente pelas escadas, evitando o terceiro degrau - sempre faz barulho por causa do frio. Então eu deslizo pelo corredor e experimento a porta. Ela se abre lentamente.

Talvez minha esposa estivesse certa depois de tudo. Olho de volta para a casa. Aqueles homens não ficarão na cozinha por muito tempo. Logo eles vão subir no andar de cima, e eles encontrarão o resto da minha família. Só Deus sabe o que farão então - mal consigo imaginar. Eu não tenho muito tempo antes de subir as escadas e encontrar minha esposa irritante e o filho que eu suspeito que não é meu. Eu não sou cego. Eu vi a maneira como ela olha os outros caras na vila. Posso ver que o menino não parece nada comigo. Agora não é a hora de se distrair, eu sei, mas a suspeita está me deixando louco.

Eu me arrasto para a noite, ensaiando mentalmente o que vou dizer à polícia.

Talvez eu NÃO tenha esquecido de trancar a porta da frente. Ou talvez não tenha esquecido de trancar a porta da FRENTE.

Bem, eu sei o que não direi, embora seja a única parte que é a verdade;

Eu estava esperando por eles para entrar na nossa casa.

Eu não ESQUECI de trancar a porta da frente.


CREEPYPASTA: ATEUS VÃO PARA O CÉU



Quando o ateu finalmente morreu, ficou atônito ao encontrar-se no que parecia ser o paraíso.

"O que aconteceu?", ele perguntou a ninguém em particular, sua voz ecoando pelas nuvens de alabastro e as estrelas à deriva do estranho vazio.

"Você está morto!", Gritou um anjo passageiro, uma criatura com a cabeça de um humano e o corpo de uma serpente. "Você está no céu".

"Mas como pode ser isso?", disse o ateu. "Eu sou uma pessoa má. Eu matei três policiais, depois queimei minha casa comigo e com meus filhos lá dentro. Nunca acreditei em Deus, e neguei o Espírito Santo, que deveria me enviar direto para o inferno".

"Isso não importa", disse o anjo, antes de desaparecer abaixo das camadas de nuvens. "Nós somos todos incrédulos aqui".

O ateu viu a criatura ir. Então ele partiu para encontrar Deus.

Quando ele finalmente o encontrou, ficou consternado ao descobrir que Deus era, de fato, um coiote fedorento, mordido pelas pulgas e carrapatos, tão grande quanto um hangar de avião.

Ele estava cavando um buraco em um prado cheio de estrelas brotando do chão. Seu focinho mutilado estava mergulhado na sujeira, mas quando ouviu o ateu atravessando a grama seca, arrancou a cabeça do chão e olhou para ele. Seus olhos amarelos enormes rolaram e apontaram em direções diferentes, como um camaleão.

"O que você quer?" Deus grunhiu.

"Eu acho que estou perdido", ele respondeu, de repente, percebendo que estava com medo de Deus pela primeira vez em sua memória. "Eu não deveria estar aqui".

"Hah!", Trovejou o riso do coiote. "Você quer que eu diga por que os ateus estão no céu e todos os crentes estão no inferno?"

"Eu não sei", disse ele. "Eu acho que quero?"

"Eu vou te dizer o porquê", disse Deus, coçando as pulgas atrás de sua orelha torcida. "É porque eu sou um enganador e um canalha! Você não leu a Bíblia? Eu sou um sanguinário absoluto! Então recompenso as pessoas que reconhecem isso e puno as pessoas que seriam tão estúpidas a ponto de adorar um vilão óbvio. Então, é isso. Aí está a sua resposta. "

"Não há um Diabo?", ele arriscou.

"Ele é pior!", disse Deus. "Se você acha que eu sou ruim, você deveria vê-lo. Ele é uma centopéia sádica e venenosa que arranha e rasga os punidos com os pés úmidos e espinhosos século após século”.

O ateu sentou-se e começou a rir.

"Deus, isso é brilhante!", ele chorou. "É tão simples, e ainda assim um plano tão deliciosamente desonesto".

Deus mostrou suas presas. "Cale a boca", ele gritou.

"Desculpa, é que você é um gênio", disse o ateu. "Você não é um canalha. Você é completamente racional, e… E não posso deixar de sentir um amor irresistível por você! Na verdade, eu, hey!"

Com um pingo de suas mandíbulas espumosas, o Coiote arrebatou o ateu nos dentes e o deixou no buraco que tinha cavado.

"Se você vai falar como um cristão", ele rosnou, "então você precisa queimar no inferno com eles!"

E o ateu caiu e caiu pelo chão, para baixo, nas profundezas do inferno.